O suporte necessário

O suporte necessário

O suporte psicológico é muito importante na batalha contra o câncer. Não deixe de conversar com seu médico para sanar todas as suas dúvidas e, caso seja possível, busque ajuda de um psico-oncologista.

Frente ao diagnóstico positivo de câncer é absolutamente normal e compreensível que a paciente seja acometida por um turbilhão de sentimentos confusos. Medo, revolta, incertezas e muitas perguntas sem respostas. As reações são as mais variadas. “Não há uma reação padrão, varia de negação – ‘não é possível, você tem certeza? pode repetir o exame?’ – a indiferença, como se o que está sendo falado não fosse sobre a pessoa que ouve”, diz a mastologista Fabiana Makdissi, do Hospital Sírio Libanês. “Mas acredito que a reação mais frequente seja o silêncio seguido de choro, normalmente reprimido. Isso é preocupante, pois a partir daí não se sabe mais o que a paciente realmente ouve nem ‘como’ ela ouve, ou seja, como absorve as orientações”, explica a médica.

A notícia pode parecer terrível, mas nesse momento é preciso ter calma, na medida do possível. Ouça seu médico e tire todas as suas dúvidas sobre o que tem, qual o tratamento mais adequado e quais os passos a serem seguidos. Além de cuidar da sua saúde, você tem de estar atenta também ao seu lado emocional. O medo, a ansiedade e as inevitáveis perguntas – “Quem vai cuidar da casa, dos filhos, do marido, do trabalho? O que vai acontecer comigo? Vou perder a mama? Vou perder o cabelo? Quem vai me acompanhar, cuidar de mim? E minha família?” – podem nos afastar do que é mais importante: o tratamento. Procure ficar firme para entender o que está acontecendo, mas lembre-se de que você precisa de muito apoio e tem direito a todas as informações e orientações necessárias.

A princípio, uma conversa franca com seu médico vai clarear um pouco essa confusão inicial. Feito isso, você pode ter uma opção viável e muito indicada: procurar os profissionais disponíveis em grande parte dos hospitais que podem orientá-la e ajudá-la nessa empreitada. São psicólogos e psiquiatras especializados em oncologia. Portanto, não se intimide, isso não é um sinal de fraqueza – muito pelo contrário – e eles não são indicados para quem está “louco” ou “vai mal das ideias”. É preciso desmitificar esse conceito, ouvir o que esses profissionais têm a dizer e saber como podem te apoiar. Daniela Achette, psicóloga do Hospital Sírio-Libanês, esclarece: “O suporte psicológico não significa um processo longo de psicoterapia e sim uma atividade que tem como objetivo trabalhar a adaptação ao tratamento e suas consequências”.

O papel da família

Mas qual é o melhor momento de procurar essa orientação? Não existe hora certa, cada paciente age de uma forma. Existem reações de revolta, medo e até mesmo introspecção. “As necessidades são peculiares, entretanto comuns no momento do diagnóstico, e é importante que o psico-oncologista apresente uma postura de continência que possibilite à paciente expressar seus medos e fantasias. Com isso, conceitos errôneos sobre os tratamentos e o prognóstico oncológicos possam ser trabalhados”, diz Achette. “Cada paciente é única, e orientações sobre seu quadro e os tratamentos indicados podem facilitar no processo de escolha deles”, explica.

Fonte:
http://www.mulherconsciente.com.br/cancer-de-mama/cuidadores/#familia

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *