Como podemos nos proteger dos ataques do inimigo?

Necessário é lutarmos contra tudo aquilo que nos afasta do amor de Deus

Certa manhã, uma criança se aproximou de seu avô e lhe perguntou: “Vovô, dentro do meu coração mora um lobo e uma ovelha. Qual dos dois vai crescer? E seu avô respondeu: !Vai crescer aquele que você alimentar”.

Como podemos nos proteger dos ataques do inimigo - 1600x1200

Dentro de nós residem também um lobo e uma ovelha. O lobo se alimenta de nossos pecados e a ovelha da nossa santidade. No entanto, todos os dias, somos influenciados pelas forças do mal que tentam nos afastar do amor de Deus. O inimigo é perspicaz e age silenciosamente nas fontes do sentimento: o coração. Nesse silêncio, o inimigo busca alimentar nosso lobo interior, levando-nos a dizer ‘sim’ ao pecado. O pecado alimenta o mal em nós. Contudo, sempre teremos a liberdade de dizer ‘sim’ ou ‘não’ diante de um ataque do inimigo. As Sagradas Escrituras nos orientam para vencermos as guerras do terrorismo espiritual que o inimigo tenta implantar em nossa alma.

Necessário é lutarmos contra tudo aquilo que nos afasta do amor de Deus: “Façam morrer aquilo que em vocês pertence à terra: fornicação, impureza, paixão, desejos maus e a cobiça de possuir, que é uma idolatria” (Cl 3,5).

É preciso abandonar sentimentos, palavras e ações que desfiguram nossa identidade divina: “Agora, porém, abandonem tudo isso: ira, raiva, maldade, maledicência e palavras obscenas, que saem da boca de vocês. Não mintam uns aos outros” (Cl 3,8).

A busca pela santidade nos capacita a alimentar nosso coração com o amor aos irmãos: “Como escolhidos de Deus, santos e amados, vistam-se de sentimentos de compaixão, bondade, humildade, mansidão, paciência. Suportem-se uns aos outros e se perdoem mutuamente, sempre que tiverem queixa contra alguém. Cada um perdoe o outro, do mesmo modo que o Senhor perdoou vocês. E acima de tudo, vistam-se com o amor, que é o laço da perfeição” (Cl 3,12-14).

A busca pelas coisas do alto nos faz caminhar com o coração em Deus e os olhar de misericórdia para com os irmãos e irmãs: “A sabedoria que vem do alto é, antes de tudo, pura, pacífica, humilde, compreensiva, cheia de misericórdia e bons frutos, sem discriminações e sem hipocrisia” (Tg 3,17).

Silenciar diante de um ataque é o caminho para não alimentar a maldade no coração de quem busca criar guerras e divisões: “Sem lenha, o fogo se apaga; sem difamador acaba-se a briga” (Pr 26,20).

O caminho da vitória pela paz é reconciliar-se com seus sentimentos: “De onde surgem os conflitos e competições que existem entre vocês? Não vêm exatamente dos prazeres que guerreiam nos seus membros? Vocês cobiçam, e não possuem; então matam. Vocês têm inveja, e não conseguem nada; então lutam e fazem guerra. Vocês não recebem, porque não pedem; e vocês pedem, mas não recebem, porque pedem mal, com intenção de gastarem em seus prazeres” (Tg 4,1-3).

Tudo aquilo que diminui o outro em sua dignidade é um prato cheio de maldade para o lobo engordar a maldade que busca saciar-se com o desrespeito ao próximo: “Irmãos, não fiquem criticando uns aos outros! ” (Tg 4,11).

Para vencer um ataque é necessário cultivar uma vida de oração alicerçada na Palavra de Deus. Nossa alma se alimenta daquilo que a ela oferecemos.

Texto extraído do site Canção Nova (todos os diretos reservados)

Um comentário em “Como podemos nos proteger dos ataques do inimigo?

Deixe uma resposta para Salete Maria Poletto Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *