Fé

Será possível a conciliação entre fé e razão?

Somente a fé, acompanhada da humildade, faz-nos compreender aquilo que é invisível a nossos olhos

Para aqueles que não acreditam em Deus, a fé seria incompatível com a razão, mas mal sabem eles o tanto que elas têm em comum, a começar pelo fato de que ambas são conferidas ao homem por Deus. A Palavra nos ensina: “A fé é um modo de já possuir aquilo que se espera, é um meio de conhecer realidades que não se veem.” (Hebreus 11,1)

Nós cristãos cremos que a verdade se encarnou no meio de nós quando Deus Pai enviou Seu Filho único, Jesus Cristo, para nos salvar. Ele, que está vivo no meio de nós, há mais de 2 mil anos foi chicoteado, humilhado e crucificado por amor a cada um de nós, para que fôssemos livres, libertos do jugo do pecado. O amor de Jesus por nós é infinito, único, pleno e incondicional.

Foto: 61583532, GoneWithTheWindStock, iiStock by Getty Imgaes

 

Quando um filósofo/cientista é tocado por essa realidade, tudo fica claro e compreensível, não mais existem aquelas obscuridades ou contradições que antes os faziam renegar a religião. Como que seus olhos se abrem e tudo passa a fazer sentido. Ele compreende ser dependente de Deus, Pai amoroso e de eterna bondade.

A misericórdia de Deus é infinita, não há limites para ela. A misericórdia é capaz de nos alcançar em qualquer situação de pecado e descrença; mas o nosso entendimento é limitado e imperfeito (1 Coríntios 13,12). Quando achamos que sabemos de tudo, aí é que não sabemos de nada mesmo; e quando procuramos saber mais do que podemos, estamos sendo insensatos (Eclo 3,20-26).

Somente a fé, acompanhada da humildade, faz-nos compreender aquilo que é invisível a nossos olhos. Como dizia Santo Agostinho, “é preciso crer para compreender, e compreender para crer”.

“Tua palavra é lâmpada para os meus pés e luz para o meu caminho” (Salmo 119, 105). Não existe a “fé cega”, tal como muitos a denominam. Aquele que crê está andando sob a luz. Como o fogo de uma vela, a fé ilumina nossos passos e aquece o nosso coração; e quanto maior é a chama, mais calor produz, alcançando também aqueles que estão próximos de nós, mesmo aqueles que não acreditam em Deus. Por isso, precisamos de uma fé viva, prática, concreta, acompanhada de gestos de amor e de humildade, pois somente o amor constrói (I Coríntios 8,1). E a fé, sem obras, está completamente morta. (Tiago 2, 17).

Assim, a nossa fé precisa ser fortalecida diariamente pela oração, pela leitura da Palavra e pela Eucaristia, para que possa transparecer em nossas atitudes, a fim de que os nossos irmãos que ainda não acreditam sintam-se tocados e convencidos de que estamos do lado da verdade, como aconteceu com Leah Libresco, famosa defensora do ateísmo, e que recentemente recebeu o sacramento do batismo.

Para finalizar, deixo essa passagem de uma carta de São Paulo aos Romanos: “Se, pois, com tua boca confessares que Jesus é o Senhor e, no teu coração, creres que Deus o ressuscitou dos mortos, será salvo. É crendo no coração que se alcança a justiça e é confessando com a boca que se consegue a salvação. Pois a Escritura diz: “Todo aquele que nele crer não será confundido”. Não há distinção entre judeu e grego, pois Ele é o Senhor de todos, rico para com todos aqueles que O invocam. Porque todo aquele que invoca o nome do Senhor será salvo. Porém, como invocarão Aquele no qual não acreditaram? Como poderão acreditar, se não ouviram falar d’Ele? E como poderão ouvir, se não houver quem O anuncie? Como poderão anunciar se ninguém for enviado?” (Romanos 10,10-15).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *